Plantas para apartamentos

•30 de março de 2009 • Deixe um comentário

Em apartamentos, os locais mais apropriados para a cultivo de plantas são:

Licuala

Licuala

varanda, janelas  e suas proximidades. É certo que um canto decorado com vegetação torna o ambiente mais agradável e aconchegante. Porém, é necessário saber quais são as plantas que se adaptam bem em ambientes internos, além de conhecer seus cuidados especiais.

Para interiores há dois segmentos de plantas: as que precisam de muita luz solar (Heliófitas) e as que vivem melhor em locais que tem sombra (Umbrófilas). Quando colocadas em uma sala ou em um hall, deve-se optar pelas Umbrófilas, como licuala, pacová, asplênio, palmeira chamaedora, pata de elefante e pleomele reflexa. Em locais ensolarados, como uma varanda ou um solário, devem-se escolher espécies como pleomele variegata, ficus, camélia, buxinho, fênix, neodpsis e até   

Pata de elefante

Pata de elefante

frutíferas como pitangueiras e jaboticabeiras, que dão um original charme ao ambiente.

Caso não tenha um vaso, ao definir a planta, analise o tamanho do torrão  e compre um tamanho maior.

 Uma boa drenagem é essencial. Verifique se há um furo no fundo do vaso para que o excesso de água escorra, não causando o apodrecimento das raízes.

Para dar um toque final, a dica é decorar a superfície da terra, que pode ser

Ficus

Ficus

feito com vários tipos de pedras, cascas de árvores e até mesmo outras plantas (mini tradescântia, mini grama preta e hera inglesa). Estes recursos darão, com certeza, mais graça ao conjunto.

Feira de Plantas e Flores do CEASA

•27 de março de 2009 • Deixe um comentário

A CEAGESP – Companhia de Entrepostofeira-de-flores-ceasas e Armazéns Gerais de São Paulo – mantém a maior rede pública de armazéns de São Paulo e um complexo de 13 centrais atacadistas, que asseguram o abastecimento de grande parte do estado.

O Entreposto da capital abriga a maior Feira de Plantas e Flores do País. Realizada no pavilhão MLP, em área de mais de 20 mil m², esta feira reúne cerca de 1.100 produtores de flores, plantas, grama e mudas e apresenta uma área especial para acessórios e artesanato. 

O público que freqüenta a Feira é composto especialmente por floriculturas, paisagistas e consumidores finais.

Há ainda uma feira de flores e plantas às segundas e quintas-feiras.

A Feira de Flores vende no semi-varejo. As rosas são vendidas em maços de 60 botões, violetas em caixas de 15 unidades, assim como as mudas, mas também é possível encontrar maços menores e outras variedades de flores e plantas vendidas por unidade. 

O paisagista Marcelo Faisal possui 3 boxes, onde comercializa as plantas p10401101ornamentais de sua produção, vindas da Fazenda do Pote, localizada no município de São Miguel Arcanjo, SP.  Seu representante comercial, Sr. Reinan, está sempre à disposição para atendê-lo.

Feira de Flores SP

Av. Dr. Gastão Vidigal, 1946 – Pavilhão MLP – Vila Leopoldina

São Paulo – SP – CEP: 05316-900 – Tel.: (11) 3643-3700 

BOX MFAISAL

Terças e Sextas-feiras:   das 5:00 hs às 10:30 hs 

  • 106 A – Coluna 56 e 
  • 03C

Segundas e Quintas-feiras : das 5:00 hs às 10:30 hs

 

Em época de quaresma, vamos falar sobre as Quaresmeiras

•17 de março de 2009 • Deixe um comentário

Quaresmeira - Tibouchina candolleana Cogn.

Quaresmeira - Tibouchina candolleana Cogn.Folhas e flores da quaresmeira

 

 

A quaresmeira (Quaresmeira-da-serra, quaresma) é uma bela espécie pertencente à família Melastomataceae que pode ser encontrada nos estados de Goiás e principalmente em Minas Gerais, nas matas semidecíduas de altitude, sobretudo na serra da Mantiqueira e na cadeia do Espinhaço.

Sua altura pode variar de 4 a 6 metros, possui copa globosa e baixa com vários ramos que quando mais jovens são levemente tetragonais. Em solos muito pobres sua estatura não passa de um simples arbusto. O tronco é curto e ramificado com um diâmetro de aproximadamente 30 cm, com casca lisa e de coloração esbranquiçada.
As folhas são simples e opostas geralmente descolores (com duas cores), de textura subcoriácea e coberta de pêlos em ambas as faces. Uma característica marcante nesta planta e de outras que pertencem à mesma família, é a presença de três nervuras paralelas em suas folhas. 

Suas flores possuem coloração róseo-arroxeada e na época de floração (julho a setembro) tomam toda a copa. Por essa razão seu potencial paisagístico é bastante explorado para arborização de praças e avenidas. Seu fruto é uma cápsula deiscente com muitas e minúsculas sementes. É uma planta pioneira de rápido crescimento sendo ideal para reflorestamento.

LORENZI, H.; 2000. Árvores Brasileiras: Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas do Brasil. São Paulo, 3ª ed. Vol 02.

 

Construção x Sustentabilidade

•11 de março de 2009 • Deixe um comentário

A sustentabilidade é o novo paradigma da civilização. Este é o momento de readequar o conceito de desenvolvimento a fim de buscar a harmonia entre ser humano e natureza, combinando processos econômicos, sociais, culturais e políticos para que os recursos naturais não fiquem comprometidos para as próximas gerações.

Estas necessidades têm mobilizado a sociedade civil, investidores, financiadores e consumidores, os quais passaram a exigir responsabilidade das empresas em relação ao impacto de suas atividades. No setor da construção, estas exigências têm se acentuado devido ao alto impacto ambiental e social das atividades de fabricação de materiais, projeto, construção, uso e operação de edificações, empreendimentos e obras pesadas.

Dados do Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS) traçam um cenário sobre os impactos do setor e seus desdobramentos:

  • 75% dos recursos naturias extraídos são para uso na construção
  • Geração de 80 milhões de toneladas/ano de resíduos
  • Liberação de gases de efeito estufa nos vários processos de fabricação de materiais
  • 20% de toda água que é consumida nas cidades, sendo parte desperdiçada
  • A operação dos edifícios é responsável por 18% do consumo total de energia do país e por cerca de 50% da energia elétrica
  • O setor é o maior gerador de empregos diretos e indiretos
  • Parte dos operários da construção se encontra na linha de pobreza
  • A informalidade é prática de mais de 50% das empresas no setor

Sendo assim, é importante uma reflexão sobre toda a cadeia produtiva do setor sobre suas atividades e compromissos, reconhecendo a necessidade de se adotar um novo olhar e desenvolver formas inovadoras para lidar com a sustentabilidade, ou seja, gerar resultados sem danificar o meio ambiente.

As empresas podem investir em um forte diferencial, considerando a sustentabilidade corporativa: uma visão de negócios de longo prazo, que incorpora as dimensões socioambientais à estratégia e aos objetivos econômicos da empresa. Assim, agrega valor aos empreendimentos através de projetos que visam à certificação ambiental e contemplam a redução dos impactos e a qualidade da implantação do edifício, economia de água, eficiência energética, redução do uso de recursos não-renováveis, especificação de materiais sustentáveis, industrialização da construção, melhoria da qualidade do ambiente construído, manual de uso e operação do empreendimento, adoção de indicadores de desempenho do empreendimento em relação à sustentabilidade, saúde e segurança no trabalho, qualificação profissional, trabalho justo, entre outros.

Para exemplificar um dos benefícios da sustentabilidade, um edifício certificado tem um custo 5% maior que um considerado “não-sustentável”. Porém, o usuário gastará muito menos em contas como água e energia.

Acompanhe diariamente nosso blog para mais dicas sobre sustentabilidade.

Fitoterápicos

•10 de março de 2009 • Deixe um comentário

Os fitoterápicos são produtos de origem vegetal com finalidade terapeutica, seja para prevenir, amenizar ou curar um estado patológico.

O termo “fitoterápico” não deve ser confundido com planta medicinal, pois esta caracteriza-se por “planta que quando administrada sob alguma forma pode desencadear algum efeito biológico.” (OMS)

Sabe-se que medicamentos salvam vidas e melhoram a condição de saúde das pessoas, entretanto não devem ser usados indiscriminadamente, incluindo os fitoterápicos.

Exemplos de fitoterápicos:

– Andiroba (Carapa guianensis): tratamento de úlceras, dermatoses e feridas

– Camomila (Chamomilla recutita): tratamento de dermatites e feridas

– Copaíba (Copaifera spp): antiinflamatório

– Pitanga (Eugenia uniflora): tratamento de diarréia

– Guaco (M.glomerato ou M.laevigata): problemas respiratórios, broncodilatador

– Maracujá (Passiflora spp): calmante

– Arnica (Solidago microglossa): tratamento de contusões

– Unha-de-gato (Uncaria tomentosa): imunoestimulante e antiinflamatório

– Calêndula (Calendula officinalis): tratamento de feridas, úlceras e micoses

Muitas destas e outras plantas você poderá encontrar nos nossos viveiros ( Santa Cruz e Orobó) ou no nosso site de compras online http://www.plantasonline.com.br .

Atenção: As informações contidas neste post não devem ser utilizadas para auto-medicação, auto-diagnostico e/ou auto-tratamento. Em caso de dúvida procure sempre um médico.

Pragas e Doenças – Como evitar e controlar

•9 de março de 2009 • Deixe um comentário

Quando o assunto é controle de pragas e doenças o primeiro ponto a averiguar é o posicionamento adequado da planta quanto a:  luz, umidade e adubação. Estes aspectos são primordiais para o aparecimento ou não de doenças e pragas.

A disposição dos vasos com distância mínima de 20cm também é aconselhado para que parasitas não migrem de uma planta para outra.

A esterilização de tesouras e o próprio manuseio de plantas doentes deve ser feito com atenção para que não se transmita para uma planta sadia. As mudas mais sensíveis às doenças devem ficar separadas das plantas adultas.

Os pulgões, além de danificar as plantas, podem transmitir certos tipos de vírus como o OFV (Orchid Fleck Virus). Outras pragas como lesmas, caracóis, nematóides e cochonilhas também podem atacar raízes, folhas e flores.

No caso de lesmas e caracóis recomenda-se a retirada manual através de armadilhas naturais.

A seguir algumas receitinhas domésticas de inseticidas naturais:

1) Indicado contra: Vaquinhas, cochonilhas, lagartas e pulgões

– 100g de fumo de corda

– 500ml de álcool

– 500ml de água

– 100g de sabão neutro

Preparo: Misture o fumo cortado em pedacinhos no álcool, acrescente a água e deixe curtir por 15 dias. Depois, dissolva o sabão em 10 litros de água e junte na mistura curtida. Pulverize nas plantas atacadas.

2) Indicado contra lagartas e cochonilhas

– 50g de sabão de coco em pó

– 5 litros de água

Preparo: Misture o sabão de coco na água fervente. Após esfriar, pulverize nas plantas. A melhor ação ocorre no verão e na primavera, quando há um aumento dessas pragas.

3) Indicado para atração de lesmas e caracóis para posteriormente eliminá-los

– Chuchu

– Sal

Preparo: Coloque os pedaços de chuchu dentro de latas rasas, adicionando o sal. Esta mistura irá atrair as pragas para posterior remoção mecânica.

Acompanhe nosso blog para mais dicas sobre paisagismo e jardinagem!

Plantas que mais absorvem CO2

•5 de março de 2009 • Deixe um comentário

O Insituto de Biociências da Universidade de São Paulo desenvolveu um estudo que assinala as 5 espécies de plantas que mais absorvem CO2 da atmosfera: Feijão-do-mato, Guapuruvu, Pau-jacaré, Jacarandá-da-bahia e Jatobá.

Sabe-se que as árvores que consomem carbono são o meio mais comum de redução dos gases poluentes.

Os pesquisadores lembram que em São Paulo há uma variação de 7 graus Celcius, dependendo da vegetação da região e que uma árvore bem cuidada com adubo, poda e rega tem uma capacidade de retenção de poluentes maximizada.

Sendo assim, em época onde o aquecimento global é um dos assuntos mais discutidos, cabe a nós cidadãos incentivar e colaborar com o plantio de árvores que tragam maior bem estar à população e maior conforto para fauna local.